Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Ministro ucraniano afirma que há 20 mil voluntários estrangeiros para combater a Rússia
Quase 20.000 combatentes estrangeiros se ofereceram para ajudar a Ucrânia a combater a Rússia, disse o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, neste domingo, 6.

“O número agora está próximo de 20.000 (voluntários). Eles vêm principalmente de países europeus”, afirmou Kuleba à CNN.

Segundo o chanceler ucraniano, “muitas pessoas odeiam a Rússia” há anos, mas não ousavam se opor a ela.

“Quando as pessoas viram que os ucranianos estavam lutando, que não estavam abaixando os braços, isso os encorajou a se juntar à luta”, acrescentou.

Manifestando “compreender essa necessidade de lutar”, o chefe da diplomacia ucraniana julgou, no entanto, “mais importante” obter assistência “política, econômica e militar” do resto do mundo e especialmente “para defesa aérea”.

No final de fevereiro, o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, havia anunciado a criação de uma “legião internacional” de combatentes estrangeiros para ajudar a repelir a invasão russa.

Os voluntários foram convocados para comparecer às embaixadas ucranianas em seus respectivos países.

A Dinamarca deu luz verde aos seus cidadãos, bem como à ministra britânica das Relações Exteriores, Liz Truss. Mas o chefe do Estado-Maior do Exército britânico, almirante Tony Radakin, disse neste domingo que seria “ilegal e inútil” que cidadãos britânicos se juntassem aos combates na Ucrânia.
Entenda o conflito

O conflito na Ucrânia pela Rússia teve início nesta quinta-feira, 24, após o presidente russo Vladimir Putin autorizar a entrada de tropas militares no país do leste europeu. A invasão culminou em ataques por ar, mar e terra, com diversas cidades bombardeadas, inclusive a capital Kiev, que já deixou mais de 130 mortos e mais de 300 feridos. Essa é a maior operação militar dentro de um país europeu desde a Segunda Guerra Mundial.

A ofensiva provocou clamor internacional, com reuniões de emergência previstas em vários países, e pronunciamentos de diversos líderes espalhados pelo mundo condenando o ataque russo à Ucrânia. Em razão da invasão, países como Estados Unidos, Reino Unido e o bloco da União Europeia anunciaram sanções econômicas contra a Rússia.

A invasão ocorreu dois dias após o governo russo reconhecer a independência de dois territórios separatistas no leste da Ucrânia – as províncias de Donetsk e Luhansk. Com os ataques, Putin pretende alcançar uma desmilitarizaração e a eliminação dos “nazistas” , segundo o presidente russo.

Outros motivos de Putin pela invasão na Ucrânia se dão pela aproximação do país com o Ocidente, com a possibilidade do país do leste europeu fazer parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan),
aliança militar internacional, e da União Europeia, além da ambição de expandir o território russo para aumentar o poder de influência na região.

Ofensiva provocou clamor internacional, com reuniões de emergência previstas em vários países

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy