Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Ucrânia celebra reconquista de território após 200 dias de guerra contra a Rússia
Kiev – O Estado-Maior da Ucrânia afirmou, nesta segunda-feira, 12, ter recuperado territórios no Leste e Sul do país após o êxito das ofensivas contra as forças russas. Após 200 dias de guerra, o governo anunciou que o exército ucraniano recuperou 20 cidades e vilarejos no Nordeste. Tropas russas admitiram a retirada de Izium, principal reduto na região.
“A libertação das localidades nas mãos dos invasores russos continua nas regiões de Kharkiv e Donetsk… As forças ucranianas conseguiram expulsar o inimigo de mais de 20 localidades em 24 horas”, diz o comunicado divulgado pelo exército ucraniano.
“As tropas russas estão abandonando de maneira apressada suas posições e fugindo”, acrescenta a nota.
No domingo, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, já havia anunciado a “libertação” da cidade de Izium como parte da contraofensiva. A perda desta cidade estratégica pode prejudicar consideravelmente as ambições militares de Moscou no leste da Ucrânia, de acordo com analistas militares.
O avanço motiva as esperanças de Kiev de um ponto de inflexão no conflito, após um longo período em que a frente de batalha parecia estagnada.
As autoridades de ocupação pró-Rússia na região de Kharkiv afirmaram nesta segunda-feira que seguiram para a região russa de Belgorod, perto da fronteira, oficialmente para ajudar no fluxo de refugiados, segundo as agências russas de notícias.
Mas depois de reconhecer que perdeu território, o Kremlin retomou nesta segunda-feira o tom ofensivo e anunciou o bombardeio das zonas recuperadas pela Ucrânia na região de Kharkiv, nas áreas de Kupiansk e Izium.
Além disso, Moscou afirmou que a ofensiva iniciada em fevereiro prosseguirá “até alcançar os objetivos”. “Atualmente não há perspectivas de negociações entre Moscou e Kiev”, declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.
A Ucrânia afirma ter recuperado quase 3 mil quilômetros quadrados de seu território, principalmente na região de Kharkiv, desde o início de setembro. E nesta segunda-feira reivindicou a reconquista de 500 quilômetros quadrados em duas semanas de contraofensiva na região de Kherson (sul).
Nesta região, “os ocupantes também abandonaram suas posições em várias localidades”, anunciou o exército ucraniano no domingo. Várias regiões do leste, norte, sul e centro do país sofreram cortes de energia elétrica no domingo, que as autoridades ucranianas atribuíram a ataques russos.
Perto de Kharkiv, a central térmica número 5, a segunda maior do país, foi afetada, informou a presidência. O abastecimento de energia elétrica foi rapidamente restabelecido em algumas áreas afetadas.
Em Kharkiv, 80% do fornecimento de energia e de água foram restabelecidos, informou o vice-chefe de gabinete da presidência, Kyrylo Tymoshenko, nesta segunda-feira.
O porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, Oleg Nikolenko, classificou os ataques como “um ato de desespero” das forças russas após várias derrotas. O chefe da diplomacia ucraniana, Dmitro Kuleba, voltou a pedir armas aos aliados ocidentais.
“Armas, armas, armas são a nossa agenda desde a primavera (hemisfério norte, outono no Brasil). Agradeço aos aliados que atenderam nosso apelo: os êxitos ucranianos no campo de batalha são compartilhados”, afirmou.
Em Genebra, o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos denunciou nesta segunda-feira a “intimidação” na Rússia dos opositores à guerra na Ucrânia, assim como as “formas de censura” vigentes no país.
“A intimidação, as medidas restritivas e as sanções contra os que expressam sua oposição à guerra na Ucrânia estão minando o exercício das liberdades fundamentais garantidas pela Constituição, em particular os direitos à liberdade de reunião, de expressão e de associação”, afirmou a alta comissária interina, Nada Al-Nashif, no discurso de abertura da 51ª sessão do Conselho de Direitos Humanos.
A situação também continua preocupante na central nuclear ucraniana de Zaporizhzhia (sul), onde todos os reatores foram desativados.
Em uma conversa por telefone no domingo, o presidente francês Emmanuel Macron pediu a seu colega russo Vladimir Putin que retire as “armas pesadas e leves” da central. Putin já havia alertado para as “consequências catastróficas” dos ataques contra a central ucraniana.
 

Estado-Maior confirma a recuperação de 20 cidades e vilarejos no Nordeste do país após ofensiva de domingo

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy