Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Rússia conclui mobilização de 300 mil reservistas para reforçar efetivos na Ucrânia
A Rússia anunciou nesta sexta-feira (28) que concluiu a mobilização de 300.000 reservistas e que 41.000 já foram integrados a unidades na Ucrânia, mostrando a vontade do presidente Vladimir Putin de recuperar a iniciativa militar depois dos últimos reveses de suas tropas.
O anúncio acontece no momento em que o exército ucraniano se prepara para uma batalha feroz para recuperar a localidade ocupada de Kherson, no sul do país.
Em resposta à contraofensiva, a Rússia bombardeou nas últimas semanas instalações energéticas, que obrigarão a Ucrânia a estabelecer um racionamento de eletricidade “sem precedentes” para evitar um “apagão completo” na província (oblast) de Kiev, anunciou um operador ucraniano.
“A tarefa de recrutamento de 300.000 pessoas foi cumprida”, informou o ministro de Defesa da Rússia, Serguei Shoigu, ao lado de Putin, em um pronunciamento na televisão.
Shoigu detalhou que 82.000 novos recrutas foram enviados à Ucrânia e que 41.000 já estão integrados nas unidades militares. Os outros 218.000 estão recebendo treinamento na Rússia.
Em 21 de setembro, Putin anunciou uma mobilização parcial para reforçar os contingentes russos na operação lançada na Ucrânia no fim de fevereiro.
A convocação provocou um êxodo de homens e alguns protestos na Rússia.
Putin elogiou os soldados mobilizados e ressaltou sua “dedicação ao dever” e seu “patriotismo”.
 Ataque em Kherson
As autoridades instaladas por Moscou afirmaram que tinham concluído a retirada de civis da província de Kherson.
“O trabalho de organizar a saída dos moradores […] para regiões seguras na Rússia terminou”, disse, na quinta-feira, Sergei Aksionov, chefe do Executivo da Crimeia, península vizinha a Kherson anexada em 2014 pela Rússia.
A operação, que a Ucrânia classifica de “deportação”, busca transformar Kherson em uma “fortaleza” diante da contraofensiva das tropas de Kiev.
A província, anexada no mês passado por Moscou, tinha cerca de um milhão habitantes – 288.000 na capital – antes de ser ocupada pelas tropas russas nas primeiras semanas do conflito.
Um funcionário da ocupação russa de Kherson, Vladimir Saldo, afirmou na quarta-feira que pelo menos 70.000 moradores conseguiram deixar suas residências em menos de uma semana.
Contudo, o comando militar ucraniano indicou nesta sexta que “a chamada ‘evacuação’ do território ocupado temporariamente de Kherson continua”.
O presidente da república russa da Chechênia, Ramzan Kadyrov, cujas forças estão lutando na Ucrânia, assinalou na quinta-feira que 23 de seus soldados morreram no início desta semana em um bombardeio ucraniano nos arredores dessa cidade.
 Bombardeios
Nas últimas semanas, a Rússia multiplicou os bombardeios contra infraestruturas energéticas ucranianas, obrigando grande parte do país a fazer racionamento de eletricidade.
Essas restrições vão se intensificar para um nível “sem precedentes” nos próximos dias na província de Kiev, para evitar um “apagão completo”, indicou a operadora ucraniana de energia DTEK.
Nesta sexta, o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, afirmou que quatro milhões de ucranianos são afetados pelos cortes de energia decididos para mitigar o impacto dos bombardeios russos a infraestruturas de energia do país.
“Muitas cidades e distritos do nosso país adotam cortes para estabilizar” a situação, disse Zelensky em seu informe vespertino diário. “Cerca de 4 milhões de ucranianos são confrontados atualmente com estas restrições”, acrescentou.
Tratam-se da cidade de “Kiev e região” e das províncias de Zhitomir (centro-oeste), Poltava, Cherkasy e Kirovogrado (centro); de Rivne (oeste), Kharkiv (este) e de Chernigov e Sumy (norte), detalhou.
A Ucrânia e seus aliados ocidentais acusam a Rússia de usar drones de fabricação iraniana nesses ataques, algo que tanto Moscou como Teerã negam.
Também nesta sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, pediu ao chanceler iraniano que interrompesse “de imediato” a entrega de armas para Moscou.
No campo de batalha, as autoridades ucranianas denunciaram hoje que bombardeios russos danificaram dois edifícios residenciais e uma padaria em Mykolaiv, no sul, deixando um ferido.
No leste, na província de Donetsk, cinco pessoas morreram e nove ficaram feridas nas últimas 24 horas, especialmente em Bakhmut, que as forças russas tentam conquistar, indicou o governador regional ucraniano, Pavlo Kyrylenko.

Exercito ucraniano se prepara para ofensiva em Kherson, autoridades de Moscou afirmam que retiraram civis da cidade

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy