Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Reino Unido tem nova disputa pelo poder e Boris Johnson quer retornar
O Partido Conservador britânico inicia nesta sexta-feira (21) uma campanha frenética para definir o sucessor da primeira-ministra demissionária Lizz Truss, com boatos de uma provável tentativa de retorno ao poder de Boris Johnson.
Depois de passar apenas 44 dias no cargo, período marcado por uma crise econômica desencadeada basicamente por suas próprias decisões, a líder conservadora anunciou a renúncia na quinta-feira, 20.
Truss admitiu que não pode “cumprir com o mandato” para o qual foi eleita pelos “tories”, depois que abandonou seu polêmico pacote de grandes cortes de impostos e enfrentou uma rebelião entre os deputados conservadores.
Truss sucedeu Boris Johnson em 6 de setembro, após uma campanha de várias semanas contra Rishi Sunak, e prometeu reformas profundas diante do aumento do custo de vida no país.
Sunak, ex-ministro das Finanças, que havia alertado para as consequências desastrosas do plano fiscal de Truss, passou a ser considerado um dos favoritos para assumir o posto de chefe de Governo.
Entre os aspirantes também aparece o nome de Boris Johnson, apesar dos escândalos que marcaram seu mandato e de sua reduzida popularidade ao deixar Downing Street.
“BoJo: Eu voltarei”, afirma a manchete do tabloide The Sun, em referência a um possível retorno de Johnson.
De acordo com o conservador Daily Telegraph, o antecessor de Truss se apresenta como potencial salvador de um desastre eleitoral e procurou Rishi Sunak. Por sua vez, o Daily Mail destaca em sua primeira página um possível duelo entre os dois homens e afirma que Johnson antecipará o retorno das férias no Caribe.
Outros possíveis candidatos permaneceram discretos nas horas posteriores à explicação por parte dos dirigentes do partido sobre o processo de escolha do novo líder conservador, que acontecerá em 28 de outubro.
Os apoiadores de Sunak e Johnson rapidamente exaltaram seus respectivos méritos, enquanto outros dirigentes do partido, como Penny Mordaunt ou Ben Wallace, ainda pensavam sobre participar da disputa.
O novo ministro das Finanças, Jeremy Hunt, descartou uma candidatura. O ex-ministro Tim Loughton pediu a Sunak, Mordaunt, Hunt e Wallace um acordo para uma candidatura de unidade para que o partido “volte a um certo nível de normalidade”.
Outras candidaturas podem incluir representantes da ala mais à direita do partido como Suella Braverman, cuja renúncia como ministra do Interior na quarta-feira precipitou a queda de Truss.
Mas os pró-Brexit e outras alas dos conservadores “precisam deixar os egos de lado” e trabalhar juntos diante da gravidade da situação econômica, afirmou Loughton à rádio BBC.
“Precisamos de um governo unido e talentoso de adultos que se unam e nos levem de volta ao rumo certo”, acrescentou.
Os candidatos não têm tempo a perder: precisam obter o apoio de pelo menos 100 parlamentares conservadores até 14h (10h de Brasília) de segunda-feira, 24. Isto limita a disputa ao máximo de três nomes, porque a Câmara dos Comuns tem apenas 357 conservadores.
Os representantes definirão o líder conservador em duas votações: a primeira reduzirá a disputa a duas candidaturas e a segunda servirá como “indicação” aos membros do partido sobre a opção preferida dos deputados.
Então, exceto se os parlamentares apoiarem apenas um nome, serão os filiados do Partido Conservador que definirão a questão em uma votação virtual na próxima semana.
O Partido Trabalhista e outras formações da oposição afirmam que os conservadores estão menosprezando o eleitorado.
O líder trabalhista, Keir Starmer, pediu eleições gerais antecipadas, dois anos antes do previsto, e afirmou que o “Reino Unido “não pode ter outro experimento dos conservadores”.
“Esta não é apenas uma novela no topo do partido ‘tory’. Está provocando um enorme dano à reputação de nosso país” e aos meios de subsistência das pessoas, disse, no momento em que o país registra inflação de 10%.
Muitos analistas consideram que os vencedores das disputas entre os conservadores serão os trabalhistas, que lideram atualmente as pesquisas de intenção de voto.
“Se você é o Partido Conservador precisa acreditar que chegou ao fundo do poço e a única direção a partir de agora é para cima”, disse Tim Bale, cientista político da Universidade Queen Mary de Londres.
Para Bale, o retorno de Johnson “seria a última piada que o Partido Conservador tentou fazer com o país e o país não vai rir”.
“Temos que sair do buraco em que os conservadores nos colocaram. Isto provavelmente significa uma mudança de governo”, afirmou à AFP.
O jornal Daily Mirror, com tendência de esquerda, foi categórico: “Eleições já”.

Liz Truss renunciou do cargo de primeira-ministra na quinta-feira, 20

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy