Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Governo e indígenas fecham acordo para libertar turistas na Amazônia peruana após vazamento de petróleo
A Defensoria do Povo do Peru anunciou nesta sexta-feira (4) que chegou a um acordo para a libertação de um grupo de turistas estrangeiros e peruanos. Eles foram retidos por indígenas da Amazônia que protestavam contra a falta de ajuda governamental, após um vazamento de petróleo na região.
“Após um diálogo com (o líder indígena) Apu de comunidades de Cuninico, nosso pedido foi aceito para a libertação das pessoas que permaneciam em embarcações retidas em protesto pela contaminação, após o vazamento de petróleo no rio Maranhão”, indicou a Defensoria em uma mensagem no Twitter.
O número total de pessoas retidas ainda é incerto. Uma passageira afirmou que poderia chegar a 150, mais que o dobro dos 70 informados na quinta-feira pelo líder Cuninico, Watson Trujillo. A Defensoria não informou o número.
O grupo, que inclui pelo menos vinte cidadãos dos Estados Unidos, Espanha, França, Reino Unido e Suíça, está detido desde as 10h00 locais (12h00 de Brasília) de quinta-feira e está ficando sem suprimentos, disse à AFP Angela Ramírez, que encontra-se a bordo entre os turistas.
Ramírez detalhou que está com 10 americanos que viajaram para a Amazônia para uma excursão de ciclismo de aventura.
“Emocionalmente, tem de tudo. Muita ansiedade, muito cansaço, ontem estava mais frio, hoje está bastante ensolarado, mas estamos na embarcação e isso nos protege bastante”, descreveu Ramírez, que também é ciclista.
Ela explicou que alguns membros da comunidade de Cuninico que não concordam com as detenções ajudaram os turistas com dois galões de água.
“Temos essa água, mas não sabemos o que acontecerá se não conseguirmos ir embora hoje. Tem um bebê de um mês e meio que precisa ser amamentado, e sua mãe precisa comer bem”, completou a atleta peruana.
“Vamos dar as facilidades hoje para que essas pessoas possam voltar aos seus lugares de origem”, disse por sua vez o líder nativo Cuninico nesta sexta-feira à emissora estatal TV Perú, sem dar mais detalhes.
O líder indicou que a “medida radical” foi tomada para que o governo enviasse uma delegação para constatar o dano ambiental sofrido pela região após o vazamento de cerca de 2.500 barris de petróleo no rio Cuninico, em 16 de setembro.

Indígenas protestavam por conta da falta de ajuda governamental depois de um vazamento de petróleo

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy