Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Moscou – Último líder da União Soviética, Mikhail Gorbachev teve a morte confirmada na noite desta terça-feira, em comunicado divulgado pelo Hospital Clínico Central da Academia Russa de Ciências. O político que um papel-chave para o encerramento pacífico da Guerra Fria tinha 91 anos.

“Mikhail Sergeevich Gorbachev morreu esta noite após uma doença grave e prolongada”, informou o Hospital Clínico Central da Academia Russa de Ciências.

Ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1990, Gorbachev é retratado nos livros de história como o “homem que acabou com a Guerra Fria”, longevo conflito entre os blocos capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e comunista, encabeçado pela extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Crítico do governo de Vladimir Putin na Rússia, o político tem reconhecimento da comunidade internacional, mas, internamente, é apontado como um dos responsáveis pelo colapso soviético ao iniciar as reformas de aberturas no estado.
Formado em direito na Universidade de Moscou, em 1955, e em economia agrícola, em 1967, por meio de um curso por correspondência, ele ingressou no Partido Comunista durante o período acadêmico. Em 1970, tomou posse como de primeiro-secretário do Stavropol Kraikom.

A ascensão política foi consolidada em 1979, quando foi promovido ao Politburo, maior autoridade da União Soviética. Na década de 80, teve históricos encontros com  premiê britânica Margaret Thatcher, o premiê canadense Pierre Trudeau e o presidente americano Ronald Reagan. Ao assumir o cargo de Secretário-Geral do Politburo, iniciou uma série de reformas na União Soviética: perestroika (reestruturação) e glasnost (abertura) são as medidas mais conhecidas da revitalização política e econômica do estado soviético.

Em 1989, nas primeiras eleições da União Soviética desde 1917, Gorbachev foi eleito presidente e tomou posse em 1990, ano em que foi premiado com o Nobel da Paz. Vítima de um golpe orquestrado por membros do próprio Partido Comunista, foi sequestrado em agosto de 1991. Após três dias de cárcere privado, foi libertado após três dias. O ato criminoso foi determinante para a dissolução de todos os partidos do governo, decisão que decretou o fim do regime comunista da União Soviética.

Ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1990, político era um crítico do governo de Vladimir Putin

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy