Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Gaza sofre dois ataques israelenses após disparo de foguete
Israel executou dois ataques aéreos nesta quinta-feira (21) contra a Faixa de Gaza em resposta a uma série de foguetes disparados a partir deste território controlado pelo grupo islamita Hamas, em um momento de grande tensão nos locais sagrados de Jerusalém.

Na quarta-feira à noite, um foguete, o segundo esta semana, foi lançado a partir da Faixa de Gaza e caiu em um campo da cidade israelense de Sderot (sul), sem provocar feridos.

Em resposta, o exército israelense empreendeu uma série de ataques aéreos, que atingiram o centro do pequeno território de 2,3 milhões de habitantes.

“Os caças de combate do exército israelense atacaram posições militares e a entrada de um túnel que leva a um complexo subterrâneo onde são armazenados produtos químicos para os foguetes”, anunciaram as Forças Armadas.

O porta-voz do Hamas, Hazem Qasem, afirmou em um comunicado que “os ataques na Faixa de Gaza aumentam a determinação da população e da resistência (…) para defender nossos locais sagrados em Jerusalém e sem importar os sacrifícios”.

Horas depois, mais quatro foguetes foram lançados a partir do território palestino, segundo o exército israelense, que afirmou ter interceptado todos os projéteis com seu escudo antimísseis.

Na segunda-feira, um foguete lançado a partir de Gaza também foi interceptado pelo escudo antimísseis israelense “Cúpula de Ferro”.

Após o lançamento, que não foi reivindicado, a aviação israelense bombardeou supostas posições do movimento islamita Hamas, que respondeu com foguetes terra-ar contra as aeronaves.

As hostilidades acontecem após os confrontos do fim de semana entre manifestantes palestinos e policiais israelenses na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém, o terceiro local mais sagrado do islã e o mais sagrado do judaísmo, com o nome de Monte do Templo.

Os distúrbios se repetiram na manhã de quinta-feira. A polícia israelense afirmou que “dezenas de agitadores atiraram pedras e garrafas incendiárias a partir da mesquita de Al Aqsa” contra os agentes.

“Um pequeno grupo violento impede a entrada dos fiéis muçulmanos na mesquita e provoca distúrbios”, afirmou em um comunicado.

As forças de segurança anunciaram a detenção de sete palestinos que participaram em “incidentes violentos” no mesmo local na quarta-feira.

A presença de judeus – que podem visitar a esplanada em condições e horários específicos – e de policiais no local durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã foi considerada pelos palestinos e vários países da região como uma provocação.

A polícia israelense impediu na quarta-feira à noite que centenas de manifestantes nacionalistas judeus se aproximassem do bairro muçulmano da Cidade Antiga de Jerusalém para evitar confrontos que poderiam aumentar ainda mais a tensão.

Nacionalistas haviam convocado uma grande manifestação na Cidade Antiga, onde fica a Esplanada das Mesquitas, uma marcha que também foi considerada uma “provocação”.

A polícia bloqueou os manifestantes, que incluíam muitos apoiadores do deputado de extrema-direita Itamar Ben Gvir, que foi proibido pelo primeiro-ministro Naftali Bennett de entrar na área.

“Não permitirei que uma provocação política de Ben Gvir coloque em perigo os soldados e os policiais israelenses”, declarou Bennett.

Bennett, um político de direita e ligado ao movimento dos colonos israelenses, lidera um governo de coalizão ideologicamente diverso.

Sua coalizão perdeu recentemente a maioria de apenas uma cadeira na Kneset (Parlamento israelense).

No ano passado, uma manifestação similar de nacionalistas estava programada para começar na Cidade Antiga, quando o Hamas lançou uma série de foguetes contra Israel, o que iniciou uma guerra de 11 dias.

Na sexta-feira e no domingo, confrontos entre manifestantes palestinos e a polícia israelense deixaram mais de 170 feridos na Esplanada das Mesquitas, coincidindo com as celebrações do Ramadã e da Pessach, a Páscoa judaica.

Nesta quinta-feira, Yael Lempert, da divisão de assuntos do Oriente Médio do Departamento de Estado americano, e Hady Amr, emissário para questões israelenses e palestinas também no Departamento de Estado, devem se reunir com autoridades palestinas em Ramallah, na Cisjordânia, para abordar “os eventos recentes e a escalada em Jerusalém”, de acordo com Hussein Al Sheikh, um funcionário do governo palestino.

Confrontos seguem crescendo na região de locais sagrados para ambos os povos

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy