Portal Jornal

Seu portal de notícias!
França oferece ajuda para desbloquear porto de Odessa, enquanto Ucrânia ataca russos
As tropas ucranianas tentaram nesta sexta-feira (10) fazer as forças russas recuarem no leste e no sul do país, regiões que são palco de duros combates há semanas, em uma guerra que afeta gravemente o abastecimento mundial de grãos.

A França, por sua vez, ofereceu ajuda para garantir o acesso ao porto ucraniano de Odessa, no Mar Negro, para aliviar a pressão que faz a inflação disparar e ameaça provocar escassez de alimentos em todos os continentes.

O Estado-Maior do exército ucraniano indicou no Facebook que atingiu “posições russas” em cinco localidades de Kherson (sul), uma das primeiras regiões a cair sob controle de Moscou após o início da invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro.

A ofensiva da Rússia, que foi repelida em outras partes da ucrânia, se concentra atualmente no sul e no leste do país, especificamente no Donbass, formado pelas províncias de Luhansk e Donetsk e parcialmente controlado por rebeldes pró-Rússia desde 2014.

Os combates são intensos, sobretudo em Severodonetsk e na vizinha Lysychansk, pontos cruciais para a conquista do território.

As tropas russas já controlam parte da antiga zona industrial. O governador de Luhansk, Serhiy Haiday, anunciou que os russos destruíram o Palácio de Gelo de Severodonetsk, um dos símbolos da localidade.

Na quinta-feira à noite, no entanto, o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky, afirmou que “Severodonetsk, Lysychansk e outras cidades do Donbass, que os ocupantes tomam como objetivos, resistem”.

Nesta sexta-feira, Zelensky acrescentou: “Há 107 dias a Ucrânia e nosso povo resistem heroicamente contra a agressão russa. Nossa resiliência é um mistério e quase um milagre. Estamos passando por uma prova de sobrevivência”.

Vitória da Ucrânia

A Rússia e a Ucrânia são responsáveis por 30% das exportações mundiais de trigo e se acusam mutuamente de destruir reservas de grãos. Além disso, a Ucrânia tem milhões de toneladas de grãos bloqueadas, pois não pode exportá-las devido ao cerco sobre seus portos.

Por outro lado, as sanções ocidentais impedem que a Rússia exporte grande parte de sua produção agrícola e de fertilizantes.

Um assessor do presidente francês Emmanuel Macron disse que a França estava disposta a ajudar a garantir o acesso ao porto ucraniano de Odessa.

Kiev se nega a retirar as minas do porto, por temer que Moscou se aproveite disso para atacar a cidade.

“Estamos à disposição das partes para que se implemente uma operação que permita o acesso seguro ao porto de Odessa, ou seja, que permita a passagem dos barcos apesar de o mar estar minado”, disse o assessor francês.

O líder francês viajará na próxima semana à Romênia e Moldávia, que compartilham fronteiras com a Ucrânia. Contudo, ainda não foi marcada uma data para que Macron visite Kiev, segundo o Palácio do Eliseu.

O presidente francês ainda não esteve na capital ucraniana, ao contrário de muitos de seus pares europeus.

Zelensky elogiou nesta sexta a liderança britânica e seu apoio contra a Rússia, durante uma visita não anunciada do ministro da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace.

“As palavras se transformam em fatos. Essa é a diferencia entre a relação da Ucrânia com a Grã-Bretanha e outros países”, disse Zelensky em um vídeo.

A presidência francesa afirmou que deseja a “vitória da Ucrânia”, depois que Macron foi alvo de críticas de Kiev quando pediu que se evitasse “humilhar a Rússia”.

A invasão russa colocou em xeque os países europeus, e nove deles instaram a Otan nesta sexta a reforçar seu flanco oriental.

Os líderes de Bulgária, República Tcheca, Estônia, Hungria, Letônia, Lituânia, Polônia, Romênia e Eslováquia se reuniram em Bucareste, a capital romena, faltando menos de três semanas para a cúpula da aliança transatlântica em Madri.

“Em vista do aumento dos riscos para a segurança na Romênia e no Mar Negro, a consolidação da Otan em seu flanco oriental […] é ainda mais urgente e crucial”, opinou o presidente romeno Klaus Iohannis.

Crime de guerra

Além do armamento, as tropas ucranianas receberam reforços de milhares de voluntários estrangeiros que se alistaram para combater a invasão da Rússia. Um deles era o brasileiro André Hack, um enfermeiro de 44 anos, que teve sua morte confirmada nesta quinta-feira pelo Itamaraty, aparentemente durante os combates na região de Severodonetsk.

Outros três voluntários, dois britânicos e um marroquino, foram condenados à morte na quinta-feira pelas autoridades separatistas da região de Donetsk, acusados de atuar como “mercenários” da Ucrânia, informou a imprensa russa.

Os condenados são os britânicos Aiden Aislan e Shaun Pinner, que se renderam em abril na cidade portuária de Mariupol (sudeste), e o marroquino Saadun Brahim, capturado em março na cidade de Volnovakha.

O Ministério de Relações Exteriores da Alemanha classificou as sentenças de “chocantes” e lamentou “o total desprezo da Rússia pelo direito internacional humanitário”.

Por sua vez, a titular da diplomacia britânica, Liz Truss, assinalou que o julgamento foi uma “farsa”, “sem absolutamente nenhuma legitimidade”. Um porta-voz do governo britânico exigiu que os combatentes detidos sejam tratados como “prisioneiros de guerra”.

A ONU também expressou preocupação. “Desde 2015, observamos que o chamado sistema judicial das autoproclamadas repúblicas [de Donetsk e Luhansk, no leste da Ucrânia] não cumpre as garantias essenciais de um processo justo […] Estes julgamentos contra prisioneiros de guerra constituem um crime de guerra”, disse a porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (Acnudh), Ravina Shamdasani.

Exército ucraniano informou que atingiu ‘posições russas’ em cinco localidades de Kherson, no sul do país

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy