Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Biden toma medidas para proteger direito ao aborto
Será um decreto suficiente para sufocar as críticas? Diante de vozes que consideram que sua resposta para proteger o acesso ao aborto nos Estados Unidos deixa a desejar, Joe Biden toma a iniciativa lançando medidas nesta sexta-feira (8), embora o alcance seja limitado.

Segundo um comunicado da Casa Branca, o presidente assinará uma ordem executiva que incluirá uma série de medidas em resposta à recente decisão da Suprema Corte de revogar o direito ao aborto, em vigor nos Estados Unidos desde 1973, deixando nas mãos do estados cedem sobre o assunto.

Sete estados conservadores já proibiram o acesso a interrupção voluntária da gravidez (IVG) e é provável que muitos outros sigam seus passos.

Para muitos democratas, que nos últimos dias tem expressado sua opinião, a maioria das vezes sob condição de anonimato, Biden e seus assessores não estão à altura desta virada histórica da mais alta corte, que se tornou muito conservadora.

Desconcertado 
No dia em que a Suprema Corte tornou pública a decisão, depois de um rascunho vazar para a imprensa, o governo americano parecia desnorteado. O primeiro comunicado do presidente chegou tarde, sendo divulgado inclusive depois da reação de vários chefes de Estados estrangeiros.

Enquanto centenas de jornalistas e advogados aguardavam o site da mais alta corte americana, a assessora de imprensa deste dossiê na Casa Branca havia ido, segundo a CNN, tomar um café.

Joe Biden deu um breve discurso, com palavras contundentes, para denunciar um “erro histórico” da corte. Revelou as primeiras iniciativas sobre o acesso a pílulas abortivas e o direito das mulheres de viajar para outros estados caso desejem abortar, mas foi impossível saber mais. E sua porta-voz, Karine Jean-Pierre, cancelou, sem explicação, a coletiva de imprensa diária. A partida de Biden para uma viagem pela Europa deixou insatisfeitas ativistas e autoridades que esperavam por decisões dramáticas ou, pelo menos, uma resposta agressiva.

Vigilância digital 

O democrata de 79 anos tentará dar essa resposta nesta sexta, quando deverá fazer um discurso para detalhar o decreto que busca, entre outras coisas, “proteger informações confidenciais de saúde” e “combater a vigilância digital”.

Muitos ativistas alertam para o perigo dos dados online, de geolocalização até aplicativos para monitorar ciclos menstruais, que podem ser usados para processar mulheres que abortarem.

O texto também planeja proteger clínicas móveis que realizam abortos fora dos estados que o proibiram. 
A Casa Branca também quer garantir o acesso aos métodos contraceptivos, principalmente à pílula do dia seguinte e ao dispositivo intrauterino (DIU).

O governo americano se propõe também a organizar uma rede de advogados voluntários para auxiliar as mulheres na frente legal. Mas esses anúncios tem um alcance limitado. O presidente americano tem pouca margem de manobra contra a Suprema Corte e estados hostis quando lhe falta uma maioria parlamentar sólida.

Joe Biden, portanto, pede a seus compatriotas que votem massivamente nos democratas nas eleições legislativas de meio de mandato em novembro. Seu objetivo: conseguir um amplo controle do Congresso para aprovar uma lei federal sobre o direito ao aborto, que anularia as decisões dos estados.

Segundo um comunicado da Casa Branca, o presidente assinará uma ordem executiva que incluirá uma série de medidas em resposta à recente decisão da Suprema Corte

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy