Portal Jornal

Seu portal de notícias!
Assembleia da ONU suspende Rússia do Conselho de Direitos Humanos
A Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU) suspendeu a Rússia, nesta quinta-feira (7), do Conselho de Direitos Humanos da organização, em represália pela invasão da Ucrânia.

Dos 193 Estados-membros da assembleia, 93 votaram a favor da suspensão, enquanto 24 votaram contra, e 58 se abstiveram, o que sugere um enfraquecimento da unidade internacional contra a Rússia. Esta é a segunda vez que um país é suspenso do Conselho. A Líbia foi o primeiro, em 2011. O Kremlin lamentou a decisão e advertiu que Moscou pretende “continuar a defender seus interesses por todos os meios legais”.

“Lamentamos isso e continuaremos a defende nossos interesses por todos os meios legais e a nos explicar”, reagiu o porta-voz do presidente Vladimir Putin, Dmitri Peskov, em entrevista ao canal britânico Sky News.

Já a Ucrânia expressou seu agradecimento pela suspensão da Rússia, afirmando que não cabe a “criminosos de guerra” estarem representados nesta instância da ONU.

“Os criminosos de guerra não têm lugar nos organismos da ONU encarregados da proteção dos direitos humanos”, declarou o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no Twitter.

“Agradecemos a todos os Estados-membros que apoiaram a resolução [da AGNU] e ficaram do lado certo da história”, completou.

As abstenções, condenadas por Kiev, não foram levadas em conta porque um voto favorável de dois terços dos países que são a favor ou contra é suficiente para uma suspensão.

Entre os países que votaram contra está a China, que a considera uma “iniciativa precipitada” que “adiciona lenha à fogueira” e um “precedente perigoso”.

Irã, Cazaquistão, Bolívia e Cuba também se opuseram. A Venezuela defendeu o voto contra, mas perdeu o direito de voto devido ao acúmulo de pagamentos pendentes. Sem surpresa, Rússia, Belarus e Síria se opuseram à resolução.

Apesar da pressão nos últimos dias da Rússia para que os países votassem contra, vários Estados africanos, como África do Sul e Senegal, optaram pela abstenção, considerando que a resolução que suspende Moscou “prejudica os resultados da comissão de investigação” criada em março pelo Conselho de Direitos Humanos.

Brasil, México e Índia, atualmente os três membros não permanentes do Conselho de Segurança da ONU, também se abstiveram.

O embaixador do Brasil na ONU, Ronaldo Costa Filho, disse: “O Brasil decidiu se abster na votação de hoje porque acredita que a comissão de inquérito deve ter permissão para concluir sua investigação independente para que as responsabilidades possam ser determinadas”.

Ele acrescentou que seu país, “profundamente preocupado” com supostas violações de direitos humanos na Ucrânia, está “totalmente comprometido em encontrar maneiras de cessar imediatamente as hostilidades e promover um diálogo real que leve a uma solução pacífica e sustentável”.

Investigação 
Nesta quinta, o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, Martin Griffiths, durante visita a Bucha, disse que investigação sobre as circunstâncias das mortes de pessoas em trajes civis é a “próxima etapa”. 

“O mundo já está profundamente chocado”, disse Griffiths a um representante municipal, referindo-se às imagens dos corpos encontrados pelas autoridades ucranianas nesta localidade, após a retirada do Exército russo. Ele garantiu que “a próxima fase é conduzir uma investigação”.

O diplomata britânico chegou a Bucha por volta das 13h (10h em Brasília), acompanhado do coordenador das Nações Unidas para a crise na Ucrânia, Amin Awad, observou um jornalista da AFP no terreno.

Ambos seguiram para a Prefeitura, minutos depois de bandeira ucraniana ter sido hasteada neste prédio pela primeira vez desde a ocupação russa da cidade. Griffiths conversou com um funcionário municipal antes seguir para o local da vala comum escavada pelos ucranianos perto da igreja.

Dos 193 Estados-membros, 93 votaram a favor da suspensão, enquanto 24 votaram contra, e 58 se abstiveram, o que sugere enfraquecimento da unidade internacional contra o país

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Generated by Feedzy